Dinheiro e Finanças

Os principais erros femininos com o dinheiro

Atualizado em: 20/04/2015

dinehir

Mulher casada, solteira, que estuda e paga aluguel, que mesmo com dívida mantém o mesmo padrão de consumo. Se identificou com algum desses perfis? Veja dicas de especialistas para usar o seu dinheiro de maneira consciente… e a seu favor!

 

De acordo com a segunda edição do Indicador Financeiro (IndEF) 2014, apresentado em agosto desse ano pela Serasa Experian e Ibope Inteligência, o índice, que mede de 0 a 10 o nível de educação financeira, atingiu a média 6 entre aqui no Brasil, repetindo o desempenho de 2013. Sim, boa parte dos brasileiros ainda não sabem como organizar as finanças e nem tem a cultura de poupar uma certa quantia no mês para ter uma reserva de emergência. E essa situação costuma ser ainda mais crítica quando envolve os gastos compulsivos que muitas mulheres têm diante de promoções, falta de planejamento etc. Claro, há homens com esse perfil também. No entanto, a falta de controle ao ver uma promoção, geralmente, atinge em cheio a ala feminina.

Mas nada de desespero, afinal, nunca é tarde para fazer mudanças, principalmente, quando elas são positivas. Então, que tal aprender a gastar e poupar de forma mais consciente? O Tempo de Mulher pediu para três experts em educação financeira listar os principais erros das mulheres no uso do dinheiro levando em consideração alguns cenários típicos: os erros da mulher solteira; da casada; os erros da casada e com filhos; da mulher que estuda e ainda paga o aluguel; daquela que faz pequenos gastos e não enxerga o orçamento comprometido; os erros das que têm dívidas acumuladas e querem manter o mesmo padrão de consumo; e, por fim, os erros da mulher que tem um objetivo a realizar, como comprar uma casa, fazer faculdade ou viajar, por exemplo.

É bom ressaltar que estes erros, muitas vezes, são cometidos em conjunto até mesmo pelo próprio casal (se for o caso de ter uma vida conjugal) e que ambos, homens e mulheres, devem adotar práticas financeiras corretas e saudáveis quanto ao uso consciente do dinheiro. Para nos ajudar, convidamos os especialistas Gustavo de Carvalho Chaves, consultor financeiro da G9 Investimentos, Adriana Rodopoulos, economista especialista em psicologia econômica, e Valéria Meirelles, Doutora em Psicologia Clínica pela PUC com ênfase na Psicologia do Dinheiro.

E para te adiantar as dicas, Adriana já alerta que, talvez o maior erro que as mulheres solteiras cometam nessa fase da vida, onde ainda não é necessário arcar com despesas fixas de uma casa ou família, é focar demasiadamente no presente e no curto prazo. “Esse foco faz com que muitas mulheres negligenciem a oportunidade de iniciar uma reserva. O que quero dizer com isso é que há uma margem de manobra muito maior para as mulheres solteiras (e até homens) que ainda moram com os pais. Eles podem reservar uma boa parte da renda mensalmente para iniciar um investimento e começar a gerar patrimônio desde cedo”, recomenda.

Já um erro financeiro cometido frequentemente por uma mulher já casada, aponta Valéria Meirelles, doutora em Psicologia Clínica pela PUC com ênfase na Psicologia do Dinheiro, é compartilhar todo o dinheiro com o do marido ou não ter uma conta individual para reservar parte do valor que recebe mensalmente. “Outro erro é delegar ao marido a administração de seu próprio dinheiro. Talvez por não entender nada de economia e matemática, ou porque ela ainda acha erroneamente que dinheiro é um território considerado masculino”, analisa Valéria.

Na avaliação de Gustavo, uma falha da mulher que estuda e paga aluguel é a ausência de disciplina e planejamento financeiro. “É fundamental que essa mulher, que estuda e trabalha para se sustentar, use o dinheiro de forma racional e planejada. Do contrário, seus sonhos serão adiados e o seu esforço será consumido pelos juros do cheque especial, do cartão de crédito, dos empréstimos pessoais etc. Portanto, defina metas e controle o orçamento pessoal”, recomenda.

Fonte: Da Redação com Tempo de Mulher

Dinheiro e Finanças