Dinheiro e Finanças

Como evitar que os problemas com dinheiro acabem com meu casamento?

Atualizado em: 26/05/2015

brigas_dinheiro-625x340

Quando uma crise econômica deixa de ser um incômodo somente nos noticiários e passa o nosso dia a dia, é momento de colocar a cabeça no lugar para não deixar que a turbulência tire a nossa vida do eixo. Na vida a dois, como bem sabemos, problemas financeiros podem gerar sérios desgastes, principalmente quando as situações de dificuldade são mal conduzidas.

O professor de economia da IBE-FGV, Mucio Zacharias, pontua alguns dos problemas mais comuns na vida de um casal quando o assunto é dinheiro, e destaca o que deve ser feito para evitar desfechos mais drásticos, como o rompimento da relação.

Vidas financeiras separadas

O economista lembra de um ponto importante na vida de um casal e que, por mais que pareça óbvio, muita gente acaba deixando em segundo plano. “Quando você casa, tem a possibilidade de unir forças. Muitos casais separam as contas e vão vivendo, este é o primeiro problema. Esse entendimento de que levam vidas separadas gera condições diferentes”, ressalta.

Ainda que as prioridades de gasto de cada um sejam diferentes, é preciso que vocês saibam tudo que entra e o que sai, só assim conseguirão consolidar um planejamento realista do futuro do casal.

Falta de transparência

“É preciso caracterizar um relacionamento com a verdade. Não adianta você ser uma pessoa controlada e viver ao lado de uma pessoa gastadeira, é preciso que os dois tenham transparência nos gastos”, reforça. O casal precisa se alinhar quanto a objetivos. Quando os planos de ambos deixarem de ser cumpridos pela falta de comprometimento financeiro de um dos lados, os problemas vão se intensificar. Se houver boa vontade dos dois e transparência nos gastos, naturalmente o equilíbrio será encontrado.

brigas-casal

Esconder dívidas

Este é um dos problemas mais graves entre casais. O especialista ressalta que é comum acontecer de um dos cônjuges ter uma dívida que a parceira (o) desconhece e que a pessoa insiste em tentar encontrar uma solução sozinha para o problema. Ele orienta ainda que um o principal problema em adotar este tipo de postura é que em conjunto o casal pode conseguir a antecipação do pagamento da pendência ou conseguir uma renegociação melhor.

“Muitas famílias têm dívidas com compras, com crédito rotativo, as vezes a pessoa tenta solucionar com empréstimo, mas não pensa no quesito familiar. Acha que vai resolver sozinho, sem ajuda do cônjuge, isso vai dar problema”, reafirma.

O conselho do especialista é categórico: jogar tudo na mesa e tentar chegar a uma solução em conjunto. Ainda que o casal imagine que a situação seja impossível de resolver, sempre há uma saída. “Existem dívidas que crescem a ponto da pessoa realmente não ter condições de pagar, ainda que trabalhe a vida inteira. Mas existe solução. Existem os tribunais que promovem conciliações para resolver esses casos. Mas é importante fazer isso em conjunto, para evitar que o problema volte a acontecer”.

Problemas com os filhos

Quando a falta de responsabilidade financeira por parte de um lados do casal continua a acontecer mesmo quando surgem os filhos, de certa forma isso poderá refletir na criação deles. “Um filho sem responsabilidade com dinheiro pode trazer muitos problemas para o casal”, comenta. Neste tipo de conflito, é muito comum um jogar a responsabilidade no outro pela “falta de juízo” do filho.

Evitar este tipo de problema ainda na raiz depende de planejamento do casal, reforça o especialista. Pode parecer clichê, mas não há outra saída para contornar de vez os problemas com dinheiro se não for através do diálogo. Neste sentido, o planejamento deve englobar tudo, os gastos que o casal tem, os planos para o futuro, a realização de uma viagem, compra de um carro, preparação para ter um filho, etc. Quando não há um consenso para a realização deste planejamento, a saída acaba sendo a ruptura.

“Tenho um que sempre se recusava a ouvir a mulher quando o assunto era dívidas, isso acabou resultado em separação. A pessoa acaba achando melhor ficar sozinha do que ficar com alguém que está sempre remando contra”, finaliza.

Como mencionamos no início do texto, estamos vivendo um momento em que a maioria das famílias está apertando o orçamento para dar conta das despesas. Para evitar que isso gere desgaste para o seu relacionamento, procure unir forças. Ainda que vocês pensem de modo diferente, a junção de esforços para encontrar uma saída será mais eficiente do que tentar resolver tudo individualmente.

 

Fonte: Da Redação com Finanças Femininas

Dinheiro e Finanças