Dinheiro e Finanças

Bancários aceitam reajuste de 8,5% e encerram greve

Atualizado em: 06/10/2014

greve

Depois de uma semana em greve, os bancários aprovaram a nova oferta da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), apresentada na sexta-feira, e decidiram no início da noite desta segunda-feira encerrar a paralisação iniciada em 30 de setembro. Assim, os serviços nas agências devem se normalizar a partir desta terça-feira.

Os funcionários da Caixa Econômica Federal (CEF) e do Banco do Brasil, contudo, podem continuar parados em algumas localidades. É o caso de Porto Alegre (RS), onde os funcionários do BB rejeitaram os termos propostos pelo banco e votaram pela continuidade da greve. O mesmo aconteceu com os funcionários da CEF no Amapá, que votaram contra o fim da paralisação na instituição.

Nos bancos privados, de uma maneira geral, decidiu-se pelo fim da greve. No Rio, capital, até às 20h os empregados dos bancos privados e do BB já haviam votado pelo fim da greve, mas não havia ainda decisão por parte dos bancários da CEF.

A nova proposta da Fenaban contempla reajuste salarial de 8,5% (ou um aumento real de 2,02% já descontado o INPC em 12 meses até agosto), contra 7,35% oferecidos originalmente. Para o piso da categoria, o reajuste subiu de 8% para 9% (2,49% mais que a inflação), e o valor do vale refeição terá correção de 12%.

“Fizemos uma greve forte durante sete dias, que mobilizou os trabalhadores e fez com que os bancos mudassem sua posição. Conquistamos reajuste de 8,5% e piso de 9%. Com esse índice, em 11 anos, são 20,7% de ganho real nos salários e 42,1% nos pisos. Tivemos ainda valorização da PLR, além de um reajuste expressivo para o vale-refeição”, disse a presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Juvandia Moreira.

Depois de reunir-se com dirigentes dos bancos e ouvir as novas propostas, na sexta-feira, a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) havia orientado os sindicatos a defender nas assembleias a aprovação das novas propostas de correção de salários. Assembleias ainda não foram encerradas em algumas regiões, mas a tendência, segundo dirigentes sindicais, é a aprovação do fim da paralisação.

Fonte:MSN

Dinheiro e Finanças