Comportamento

Você já trocou de roupa por medo de ser assediada? 27% das mulheres dizem que sim

Atualizado em: 31/03/2017

assedio-sexual-abuso-estupro-3.17-1400x800

Ainda é uma realidade brasileira o fato de o simples ato de uma mulher caminhar na rua, independentemente da sua roupa ou de suas atitudes, não ser considerado seguro ou oportuno, por muitas.

Ainda vivenciamos o medo de sofrer algum tipo de violência, só por ir a banca da esquina. O blog Bolsa de Mulher traz pra gente, um levantamento sobre esse tema. Leia a matéria na integra abaixo.

 

 

Você já trocou de roupa por medo de ser assediada? 27% das mulheres dizem que sim

Você já pensou em trocar de roupa antes de sair de casa para evitar ser notada por homens na rua? Se nunca aconteceu com você, com alguma conhecida certamente já. Isto porque o assédio sexual é TÃO naturalizado e TÃO comum que muitas vezes, em vez de rechaçar o agressor e sua atitude, acabamos trocando de roupa ou evitando determinadas situações para fugir ou amenizar os constrangimentos – em vão, é claro.

O levantamento “Retratos da Sociedade Brasileira”, de 2016, sobre segurança pública, encomendado pela Confederação Nacional da Indústria, mostrou que esta é uma realidade para muitas brasileiras. Das entrevistadas, 27% disseram que mudaram a forma de se vestir no últimos 12 meses para reduzir o risco de assédio e abuso sexual.

Os dados vão de encontro à infeliz ideia de que o vestuário facilita algum tipo de agressão – o que, claramente, é uma grande falácia, já que os números comprovam: a roupa e a conduta da mulher pouco importam em uma agressão, já que a maioria dos crimes acontecem dentro de casa e são praticados por conhecidos. Logo, a motivação é o desvio de conduta do agressor e não a roupa da vítima.

Além dos dados, há ainda infinitos relatos de mulheres que estavam vestidas do pés a cabeça e ainda assim foram assediadas, agredidas e estupradas.

Campanhas como a “Chega de Fiu-Fiu” e a “Vamos Juntas?” tentam constantemente conscientizar homens e mulheres sobre a naturalização do assédio e a gravidade dele. Mas, além da mudança do imaginário, a denúncia também é um forte caminho para que este tipo de problema seja superado.

Embora ainda seja difícil punir alguém por assédio, o registro do boletim de ocorrência e a abertura do processo são essenciais para que o poder público aprimore seus serviços de recepção, denúncia e julgamento dos casos.

 

assedio-infografico

 

 

 

Fonte: Bolsa de Mulher

Comportamento