Comportamento

8 frases que as crianças podem entender de maneira errada

Atualizado em: 14/04/2015

crianca-triste-comportamento

Como ainda não compreendem o mundo adulto, um gesto ou uma entonação diferente, além do contexto, podem causar danos ao aprendizado do pequeno

 

“VOCÊ ESTÁ CHORANDO SÓ POR ISSO?”

“Algumas vezes, para ajudar as crianças, tentamos fortalecê-las dizendo que a dor não é tão grande assim. Mas é preciso ter cautela com o tom e o momento. Ao negar a dor da criança, pode-se estimular que ela a esconda no futuro. Mais adequado é avaliar com a criança, reconhecer sua dor e após os cuidados necessários conversar para fortalecê-la”, diz o psicólogo Rafael Alvarenga.

 

“POR QUE VOCÊ NÃO FAZ COMO FULANO?”

Rafael explica que este tipo de frase pode ter um resultado positivo, desde que seja usada com a postura correta: “Falada de forma carinhosa, e ajudando a criança a agir da forma desejada ela pode ajudar na educação – todos precisamos de exemplos. Contudo, geralmente é falada em um contexto de repreensão, o que nega a identidade da criança, suas limitações e diferenças individuais. Cada humano é único, e naturalmente agirão de formas diferentes”.

 

“QUIETO, MENINO NÃO CHORA!”

“Além de atrasadamente machista, ensina as crianças que apenas as mulheres podem demostrar o sentimento de tristeza, além de associar erradamente as meninas ao choro”, continua o psicólogo.

 

“QUE FEIO ISSO!”

Levando em conta que crianças e adolescentes costumam ter certa insegurança a respeito da aparência, esta frase, como explica Rafael, pode criar uma sensação de inadequação, de ser “errado”.

 

“É BAGUNCEIRO COMO O PAI!”

A psicóloga Ana Paula Cavaggioni comenta porque este tipo de comparação deve ser evitado frente à uma criança: “Ela não precisa ser comparada com ninguém. Ela precisa ser reconhecida pelas suas características, sejam boas ou não tão boas”

 

“VOCÊ AINDA NÃO ENTENDEU?”

“Os pais devem compreender que educar dá trabalho e envolve algumas situações muitas vezes desconfortáveis, repetitivas e trabalhosas. Agora, se os pais só olharem para os filhos para dar bronca quando eles fizerem coisa errada, é isso o que eles vão fazer em busca de atenção. A criança precisa sentir-se amada e aceita mesmo na hora da bronca ou da crítica, e é importante que os pais digam isso claramente”, continua a psicóloga.

 

“QUE IDEIA RIDÍCULA!”

Para evitar uma má compreensão em frases como esta, Ana diz que o ideal é sempre ouvir o que a criança tem a dizer e valorizar tanto a sua fala quanto a sua criatividade, ajudando os pequenos a desenvolverem melhor a ideia e chegarem, eles mesmos, à conclusão da viabilidade do que pensam.

 

“EU VOU MATAR VOCÊ SE…”

“O que educa é a autoridade, não a agressividade. Xingar ou intimidar a criança só prejudica sua autoestima”, diz Ana.

 

Fonte: MdeMulher

Comportamento