Cristiani Meller

Cristiani Meller

Cristiani Meller, Analista Financeira e Gerente Comercial do Portal Mulher de Fato.

OPINIÕES ALHEIAS

opiniao alheia

Hoje parei para pensar sobre opiniões alheias, aquelas que as pessoas nos dão e que, às vezes, chegam sem nem a gente solicitar. Por vezes tranqüilas, por vezes atravessadas. O que fazer diante delas? Refutá-las sem pensar, alegando “eu faço o que eu quero, do jeito que eu quero e como bem entendo”, ou aceitando todas e procurando fazer aquilo que foi apontado?
Para mim, nem um, nem outro. Há que se ter um certo cuidado, para que a gente não se torne presunçoso demais a ponto de ignorar toda e qualquer opinião, pois isso nos tornaria completamente vulneráveis a inúmeros erros; tampouco considerar todas como verdade, pois assim estaríamos agindo como marionetes do mundo, perdendo nossa identidade. Há que se achar o caminho do meio, porque praticamente nenhum extremo é saudável.
E qual é o caminho do meio? Bom, para minha pessoa, o meio termo é parar para refletir sobre a situação. Se alguém me dá uma dica, opinião, conselho, mete o bedelho ou, às vezes, até parece estar determinando que eu faça alguma coisa de um jeito ou que deveria ter feito de determinada forma, geralmente, paro para pensar se isso que a pessoa está dizendo realmente faz sentido para mim. É muito importante pararmos para analisar se aquilo que alguém está nos falando tem algum fundo de verdade. Não tem nada de errado mudar a nossa opinião e comportamento diante de novos argumentos, caso esses argumentos se mostrem lógicos para nós: “opa, peraí, acho que é isso mesmo e eu não estava enxergando desta forma”. Porque, se a gente continuar numa linha de raciocínio só por birra, para não dar o braço a torcer, ou simplesmente por preguiça de analisar o outro lado, corremos risco de dar com a cara no chão e até fazer mais gente pagar o pato junto! Agora, se não faz sentido algum o que o outro está dizendo, nada de ficar perdendo tempo: melhor agradecer e seguir firme. Porque cada um tem o direito de acreditar no que bem entende; se eu não tenho o mesmo ponto de vista de outra pessoa, tudo bem, ela também não tem igual ao meu e nem é obrigada a ter, assim como eu também não!
Resumo da ópera: os outros podem estar nos dando feedbacks valiosíssimos para o nosso crescimento ou só estarem falando coisas de acordo com o que eles acreditam ser o certo. Este discernimento (entre o que podemos aproveitar ou não) fica mais fácil quando a gente tem uma boa dose de autoconhecimento, tem consciência do que realmente é importante e faz sentido na nossa vida. O legal mesmo é seguirmos o que é essencial para a gente, parando para aprofundar a reflexão só quando vale à pena, porque, se formos dar bola pra tudo quanto é coisa que nos dizem, a gente morre louco!
Mas isso tudo é minha mera opinião, você pode ver um fundo de coerência nela; ou não! O que você acha? Caso queira, deixe seu comentário, opinião, dúvida, sugestão aqui abaixo do texto. Sua participação é muito importante para desenvolver mais ainda a temática e gerar mais reflexões!
Grande abraço!
Niriane Neumann

Mais postagens de Cristiani Meller