Denise Lemos

Denise Lemos

Diretora Executiva do Portal Mulher de Fato, CEO Up Branding Marketing Digital, CEO Startup 28Dias.

Nunca desista de seus sonhos, nem de suas conquistas!

sonhos

Recomecei a minha empresa muitas vezes,em dez anos! Me reinventei junto com ela. As motivações foram as mais variadas: mudanças do mercado, crises internas, busca por inovação, questões pessoais, escolhas mal feitas, concorrência desleal e foco em excelência. Me aventurei na jornada do sucesso errando e aprendendo. E assim, superando obstáculos fui realizando meus sonhos. A indústria de produtos químicos para higienização, onde trabalhava, me ofereceu uma Distribuição. Conhecia bem esse mercado. Então aceitei o desafio. Há anos vinha me preparando para realizar esse desejo. Confesso: não me sentia pronta, mas agarrei a oportunidade. Tornei-me a única mulher na rede nacional de Distribuidores. Nascia a HIGIENIZA SOLUÇÕES! Em 60 dias, precisava abrir a empresa e começar suas atividades. Neste curto período, teria que estudar o mercado local, definir o modelo do negócio, fazer o planejamento estratégico, aprender em cursos rápidos e palestras o que ainda não dominava (graças ao Sebrae!!!), contratar profissionais, alugar um ponto estratégico, registrar a empresa nos órgãos competentes e ainda pensar como fazer diferença no mercado. Para me manter, abastecer o estoque e ter capital de giro, penhorei um apartamento da família como garantia. Deixei tudo para trás… Mudei-me para João Pessoa-PB, onde não conhecia NINGUÉM! Desisti da estabilidade de uma carreira sólida, investi todo o meu dinheiro, minha empresa virou meu lar. Solidão, trabalho duro, insegurança, machismo e raça eram as minhas companhias. Tudo pela realização de um sonho. Foi MUITO difícil. Além das questões burocráticas e comerciais havia as emocionais envolvidas nesta escolha. Busquei estar sempre positiva e trabalhar as minhas fraquezas. Tinha que dar certo! O preço que estava pagando era muito alto, abrira mão de todo meu conforto material e emocional. Sai desbravando o mercado. O pior era enfrentar uma inimiga oculta e cínica: a cultura machista. Como uma mulher? Jovem? Solteira? Forasteira? Comandar um negócio de sucesso?! Por ser mulher, tive que ser ainda mais mulher. Em três anos, recuperei o investimento inicial, adquiri sede própria, me tornei referência regional neste segmento, conquistei mais do que clientes, fiz amigos, estabeleci parcerias estratégicas, busquei sempre surpreender e fazer diferente, mantive minha equipe unida e remando junto na mesma direção. Meu lema: “Mais satisfação, mais negócios”. O mercado nos via como um time! Trabalhei MUITO! 18 horas por dia, 7 dias por semana, durante meses. Meu sucesso atraiu inveja. Fui vítima de um premeditado e covarde golpe. Meu fiel amigo, de plena confiança, tornou-se meu concorrente ainda trabalhando para mim. Jogou sujo: envenenou meus colaboradores, me sabotou em meus clientes e fez tudo para destruir minha empresa, minha marca e meus anos de dedicação e trabalho duro. Quase fui à falência! Não desisti, comecei tudo de novo! Fui para ponta do negócio, vender, entregar, cobrar, ouvir os clientes, saber suas necessidades, conhecer as minhas deficiências, demiti todos os funcionários, contratei e treinei uma nova equipe, fiz novo planejamento estratégico, e assim conquistei novos clientes e mercados. Mergulhei de cabeça com grande avinco, no ano seguinte, o faturamento e lucratividade eram recordes! Desta vez a ameaça foi externa. O mercado sofreu o mesmo impacto do ramo farmacêutico com a entrada dos genéricos. A mudança de legislação permitiu que qualquer “fundo de quintal” fosse indústria. Como concorrer com fábricas locais? Ampliei minha visão de negócio, passei também a prestar serviços, apostei em produtos ecológicos, busquei fábricas locais, trabalhei ainda mais e aumentei minha participação de mercado. Fiz uma forte campanha publicitária, através de permuta de meus serviços nas principais mídias de TV, rádio e outdoor. Por isso, passei a ser mais reconhecida como prestadora de serviço do que como Distribuidora. E as margens de lucro eram bem maiores. Uma inesperada alegria: nasce minha primeira filha, Mariana. Seis meses depois, outra surpresa… Giovana estava a caminho… Quase surtei! Depois que caiu a ficha, fiquei radiante! Assumi o mais importante papel de em minha vida! Tive que ter muito jogo de cintura e serenidade para conciliar minhas atividades. Não tive licença maternidade e mantive amamentação exclusiva até o sexto mês. Nos condicionei a um intervalo de 3 horas entre as mamadas. Essa era a minha autonomia para trabalhar. Essa escala durava por quase 24 horas. Agora era estratégico ter um sócio, mas precisava superar o trauma do golpe sofrido. Não confiava em ninguém! Mas não havia opção se não dividir o trabalho e as responsabilidades com alguém. Com duas filhas, sem família na cidade, não pretendia comprometer minha produtividade empresarial, meu desempenho materno, nem minha sanidade mental. Enfim, achei quem compartilhasse comigo os bônus e ônus dos negócios e injetasse capital para estruturar o ritmo crescente da empresa. Tratei de alinhá-lo com os processos, pessoas, objetivos e nosso clima. Em sintonia e com capital para investir, Expandimos os negócios. Compramos uma distribuidora concorrente, embora sem domínio neste novo segmento. Unificamos as operações das empresas numa mesma estrutura para reduzir custos, contratamos mais colaboradores, revimos os processos internos, exploramos bem esta aquisição no mercado, e assim dobramos o faturamento. Entretanto, esta sociedade só durou 3 meses. Meu sócio caiu fora! Meu pai voltou para Salvador/BA, e eu fiquei com duas filhas e duas firmas! Mãos a obra! Mais um Plano em execução para gerenciar a crise instaurada e conciliar as demandas maternas e domésticas. Meus dias tinham mais do que 24 horas! Reavaliei profundamente o negócio, coloquei as crianças em turno integral, analisei os pontos fortes e fracos da empresa e do mercado, a empregada doméstica passou a dormir no trabalho, enxuguei custos, engordei dez quilos, selecionei os clientes de maior representatividade, fiz o Plano B, avaliei os produtos e serviços de maior lucratividade, pensei como inovar o meu empreendimento e o meu casamento, estudei os últimos balanços e recomecei pela quarta vez. Meditei sobre as vitórias e os ganhos esperados para os próximos 10 anos. O resultado foi revelador. Minha realização pessoal não estava mais condicionada ao sucesso profissional e financeiro. Conclui: a HIGIENIZA também precisava mudar. Troquei a Distribuidora por uma loja virtual. Transformei concorrentes em parceiros. Enfatizei a prestação de serviços através do cooperativismo. Ampliei a oferta de serviços: treinamentos e consultorias. Entrei no mundo web. Me instalei em Home Office. Me envolvi em novos projetos. Ganhei qualidade de vida e maior convívio familiar. Por causa da forte presença digital continuamos referência no mercado. Fiz uma grande corrente de ganho e cooperação através da criação do Fórum das Mulheres de Negócios da Paraíba, pelo qual nos ajudamos e crescemos juntas. É imprescindível para o sucesso: planejamento, organização, controle, entusiasmo e muito, muito trabalho! Nunca desista de seus sonhos, nem de suas conquistas. Junte-se a nós!

Mais postagens de Denise Lemos