Mayara Almeida

Mayara Almeida

Psicóloga Clínica de Base Analítica, pelo Centro Universitário de João Pessoa - UNIPÊ - CRP 13/5938, atendendo, atualmente, em consultório, crianças, adolescentes e adultos. Especialista em Gestão de Pessoas pelo Instituto de Educação Superior da Paraíba – IESP. Foi aluna especial do mestrado em Psicologia Clínica, na Universidade Católica de Pernambuco - UNICAP. Colaboradora de programas de TV e rádio em emissoras locais. Membro do grupo de escritores Sol das Letras (João pessoa/PB). Escritora no blog: www.mayaralmeida.blogspot.com. Autora e colaboradora de livros que apreendem conhecimentos e informações para apreciadores da psicologia e da literatura romântica: Cuidando do Ser Humano - Diversidades (2014); Entre Nós e Laços (2013); No Compasso do Amor (2011) e Psicanálise e Clínica com Bebês: Sintoma, Tratamento e Interdisciplina na Primeira Infância (2010).

Alfabeto particular

mayara

Empresto aqui meu alfabeto, por hora. Ele pode mudar. Você pode aprimorar e ter o

seu. Crie, use e aproveite. É sempre bom ter em quê acreditar. É necessário. Vamos lá!

Amor: Ato de doar ao outro o melhor que você tem e sentir que há um retorno.

Beleza: Quando a gente olha para alguém ou algo, e fica encantado.

Coração: Caixinha de dentro mais preciosa que há; cabe até o infinito do mar.

Dor: Sensação de desconforto quando algo está desistindo de continuar.

Equilíbrio: Aquilo que sobra. Aquilo que resta. Aquilo que sustenta.

Felicidade: Quando você decide aproveitar. Não é um lugar.

Gozo: Satisfação do corpo e da alma.

Hábito: Repetição inconsciente, e pode ser bom ou ruim.

Ilusão: Quando alguém brinca, sozinho, de destruir o nosso castelinho de areia.

Juntar: Caber no mesmo espaço, mesmo que seja preciso apertar.

K: Letra. Para usar quando o “c” está cansado de nomear.

Lua: Aviso diário dos céus sobre encantamento e admiração.

Mar: Paraíso formado em gotas.

Nuvem: algodão celestial, vontade que dá de ir lá, pegar.

Olhar: Registrar o que existe.

Promessa: Dizer algo e saber que há de ser cumprido.

Querer: Vontade que dá quando se deseja muito.

Relembrar: Quando algo precisa voltar a existir, mesmo que seja na fantasia.

Sincericídio: Dizer a verdade apesar de.

Talvez: dúvida que começa dentro da gente e termina… Talvez não termine.

Urgência: Quando nada mais pode esperar.

Voar: Fechar os olhos. Ir para qualquer lugar sem dar um passo.

Wafer: Biscoito. Sim só isso. Nem tudo precisa ser sério.

Xadrez: Jogo que representa muita vida real.

Y: Enfeite para nomes comuns que ganham outro ritmo, outra cor.

Zero: Onde tudo começa – do nada até algum lugar.

 

Mayara Almeida

Mais postagens de Mayara Almeida