Cidadania

O Empoderamento Feminino: como é ser mulher no mundo dos negócios!

Atualizado em: 31/03/2017

business-woman-portrait-1997285_1280

 

O fato é que ser mulher e empreendedora é gratificante, mas sinceramente, não é fácil.

Por: Georgina Luna
Jornalista da CDL-JP
A maioria das mulheres nem sabe, mas já são empreendedoras: vendem roupas, maquiagens, perfumes de porta em porta ou no ambiente de trabalho, elas sempre arrumam um jeitinho para ter sua independência financeira ou para complementar a renda.

Estas mulheres sempre buscaram por oportunidades. Elas tiveram grandes dificuldades em sua trajetória, a começar pela entrada tardia no mercado de trabalho, uma característica que em muitos casos ainda está vinculada na cultura da sociedade, é que a única função da mulher é cuidar da casa e dos filhos. Acreditem muitos e muitas ainda pesam assim. Uma barreira que precisar ser quebrada e que está ligada a primeira questão é a jornada dupla que a mulherada exerce nos dias atuais, embora as mulheres empreendedoras de hoje estejam conscientes do seu papel no desenvolvimento econômico e social, na maioria dos casos, ainda são responsáveis pela administração da casa e pela educação dos seus filhos e filhas. É necessário repensar a questão da “mulher maravilha” e do papel do homem como co- responsável na divisão destas tarefas. Afinal o que queremos não é acumulo de tarefas e sim reconhecimento e direitos iguais.

Dados de 2016 revelam que o número de mulheres que são chefes de família e estão a frente do próprio negócio saltou de *6,3 milhões para quase 8 milhões em 11 anos, um aumento de 25%. Estes dados revelam que as mulheres ainda terão muito pelo que lutar. Inclusive pela igualdade salarial Enquanto eles ganham, em média, *R$ 2.251, elas recebem R$ 1.762 (diferença de R$ 489).

A crescente participação das mulheres na área do empreendedorismo possibilita vislumbrar um futuro em que ambos os gêneros venham a atuar nesta área em situação de equilíbrio. Não é nada fácil vencer os obstáculos tão injustamente impostos a mulher, mas em se tratando de Brasil… verás que uma filha tua não foge a luta!

 

*Fonte: SEBRAE
g1.globo.com

Cidadania