Cidadania

Dia 22 de Março é o Dia Mundial da Água. É nosso dever preservar esta fonte de vida para o planeta.

Atualizado em: 22/03/2015

Dia Mundial da Água (1)

Durante a conferência mundial Rio-92, a Organização das Nações Unidas (ONU) sugeriu a criação do Dia Mundial da Água, que passou a ser comemorado anualmente no dia 22 de março. A data é um marco, pois é um dos maiores incentivos à preservação ambiental e a valorização dos recursos naturais. Porém, mais de vinte anos se passaram e pouco mudou no cenário nacional e mundial.
A poluição permanece como um dos maiores problemas do planeta e a escassez de água é uma realidade para grande parte da população. De acordo com a ONU, que este ano tem como tema ‘Água e Desenvolvimento Sustentável’, estima-se que em dez anos 48 países não tenham água suficiente para atender a população. Além disso, a ONU afirma que até 2030 a demanda pela água será 40% maior do que a oferta.
A responsabilidade por esses problemas não é só da população, que representa apenas 10% do consumo de água no país, mas também das empresas, já que muitas desperdiçam os recursos hídricos e ainda poluem o meio ambiente através da fabricação dos seus produtos. Um dos principais responsáveis pelos problemas ambientais é o setor agrícola, que consome cerca de 70% da água do Brasil, segundo dados do Fundo das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, e da construção civil, que lança no ambiente uma quantidade excessiva de dióxido de carbono (CO2) e resíduos.
Porém, pequenas mudanças no processo construtivo e de finalização da obra trazem não apenas melhorias para o ambiente, mas também vantagens financeiras para as construtoras e investidores. De acordo com João Pina, diretor da JCP Construções e Incorporações S/A, é preciso atentar para as necessidades do ambiente. “A sustentabilidade já faz parte do nosso cotidiano e as construtoras para obterem êxito terão, cada vez mais, que adotar estas soluções, ou seja, é uma questão de sobrevivência e qualidade”, explica.

Segundo Selma Alves, professora de Tratamento de Água e Efluentes do grupo DeVry Brasil, a consciência da importância da economia mudou a rotina nos canteiros de obra, que hoje preocupam-se em coletar água da chuva, restringir o uso da mangueira e reaproveitar a água para lavar ferramentas. “Existe uma preocupação com a questão da sustentabilidade. Além disso, as construtoras buscam reduzir o desperdício, porque isso implica em redução de custo da construção”, finaliza.
E as empresas também estão envolvendo toda sua cadeia produtiva. Em uma iniciativa inédita, o McDonald’s reuniu cerca de 60 fornecedores da sua cadeia produtiva e a organização The Nature Conservancy para sensibilizá-los sobre a crise hídrica e incentivá-los a discutirem alternativas para a redução drástica no consumo de água nos processos produtivos. Segundo o Diretor de Supply Chain do McDonald’s, Celso Cruz, o desafio é obter resultados para toda sociedade. “Estamos rompendo paradigmas em busca de mudanças relevantes, com resultados positivos não só para os restaurantes, como também para a sociedade como um todo”, explicou.​
Outra empresa que investe em inovação e sustentabilidade para implementar estratégias para redução do uso e neutralização de impacto ambiental na água em todo o ciclo do negócio é a Natura. Em 2010, se tornou a primeira empresa de cosméticos do mundo a calcular sua pegada hídrica, metodologia da Water Footprint Network (WFN) que mapeia o impacto do fornecimento de insumos (matérias-primas e materiais de embalagem), da fase de produção e distribuição dos produtos até o uso e descarte dos itens pelos consumidores. O diagnóstico está fomentando a estratégia de gestão da água e deve influenciar positivamente todos os envolvidos.
Outro indicador da Natura que vem registrando avanços se refere ao reuso da água, que cresceu 67% entre 2011 e 2012. A água reciclada é usada nos sistemas de irrigação, nos sanitários e, atualmente, também nas caldeiras para gerar vapor, no resfriamento ou aquecimento de equipamentos e no resfriamento do ar-condicionado da empresa. A água da chuva também é aproveitada, inclusive na fabricação de sabonetes.

Fonte:Melissa Paulino-Pauta Comunicação

Cidadania