Cidadania

95 anos para atingir a igualdade de gênero no Brasil

Atualizado em: 15/03/2017

naom_56d59f8b9cbaf

Apanhado realizado pela Adzuna.com.br mostra o caminho que precisa ser percorrido para que o Brasil alcance a igualdade de gêneros.

 

A igualdade de gênero é um tema que vem ganhando cada vez mais destaque, principalmente devido ao surgimento de diversas iniciativas e a participação de grandes empresas. Com a chegada do mês das mulheres, a Adzuna, uma ferramenta de busca que reúne mais de 300 mil vagas online no Brasil, fez um apurado da situação da disparidade de gênero no país.

 

Considerada pela ONU como um dos direitos humanos mais básicos e essenciais que existem, a igualdade de gêneros é uma busca constante, com grande marco na segunda metade do século passado. Apesar de o cenário atual ser muito melhor do que naquela época, o Brasil ainda se apresenta como um país desigual no quesito de gêneros. Na última pesquisa realizada pelo Fórum Econômico Mundial, que analisa a igualdade de gênero em 144 países, o Brasil só aparece na 79ª posição, atrás dos nossos vizinhos Venezuela, Chile e Argentina.

 

Algumas conquistas significativas foram feitas, principalmente no que diz respeito à leis, regulamentações e direito da mulher, e ao acesso à educação. No entanto, 64% dos analfabetos do Brasil são mulheres, o que nos mostra uma diferença de 14% em relação ao que seria o nível mais igualitário. Por outro lado, as coisas parecem estar um pouco melhor do que já foram. Atualmente, 58% dos estudantes universitários são mulheres, mostrando a presença do sexo feminino das últimas gerações tomando postos em universidades e batalhando por melhores opções de futuro.

 

Andando na contramão dos avanços no que diz respeito à educação superior, temos a presença da mulher no mercado de trabalho. Segundo pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as mulheres representam hoje aproximadamente 43% da mão de obra disponível no mercado de trabalho e ganham em média 74.5% dos salário que os homens recebem no Brasil.

 

Quando analisamos profissionais de alto escalão nas empresas, apenas 2% das 250 maiores empresas brasileiras têm uma mulher ocupando o cargo de CEO e estas sentem uma diferença salarial que atinge o patamar dos 50%. Apesar disso, existe um movimento por parte de grandes empresas para diminuir essa diferença e muitas mulheres ocupando cargos de liderança estão a frente de discussões que incentivam a participação feminina na alta liderança.

 

A situação não parece tão otimista, mas existe uma melhora constante no quadro. Talvez a evolução não esteja caminhando tão rápido quanto gostaríamos, mas o futuro parece promissor para o público feminino.

Fonte: adzuna.com.br

Cidadania