Bem Estar

Consumo de suplementos alimentares exige orientação nutricional

Atualizado em: 27/05/2016

Atividade Física2

A prática de exercícios físicos tem crescido consideravelmente nos últimos anos. De acordo com a Vigitel Brasil 2014 (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), cerca de 35,7% da população maior de 18 de João Pessoa praticam, ao menos, 150 minutos de atividades físicas por semana. O boom das redes sociais colaborou para essa busca pela melhoria na qualidade de vida, tendo em vista os perfis de anônimos e celebridades – com milhares de seguidores -, que postam sobre os seus hábitos de alimentação e exercícios, estimulando a procura por hábitos saudáveis e, também, corpos definidos.

No entanto, a falta de orientação pode causar danos durante a prática de atividades físicas e, consequentemente, prejudicar a saúde do corpo. Além disso, as refeições precisam ser adequadas para cada biotipo e tipo de exercício que será praticado, ou seja, a mudança alimentar não pode acontecer aleatoriamente e precisa de acompanhamento nutricional para garantir a sua eficiência.

Para suprir deficiências alimentares causadas por restrições ou, até mesmo, estimular o desenvolvimento de massa magra e queima de gordura, muitas pessoas acabam optando por suplementos alimentares. Mas, de acordo com a nutricionista do Hapvida Saúde, Tanara Ferreira, é preciso ter cuidado ao ingerir esses produtos sem orientação e desordenadamente.

“Esse consumo pode causar desequilíbrios nutricionais quando não dá um suporte adequado de nutrientes ao longo do dia. Às vezes, acontece excesso de alguns nutrientes e carências de outros, que podem levar a sobrecargas no organismo, causando obesidade, dislipidemias (aumento da taxa de gordura no sangue), problemas hepáticos. No caso de suplementos, são riscos semelhantes a uma alimentação desajustada. Remédios têm diversos efeitos colaterais e é de competência médica indicar ou não”, esclarece.

A especialista explica que o consumo de suplementos é indicada nos casos em que a necessidade nutricional não é atingida só com os alimentos e é preciso complementar para manter o equilíbrio desses nutrientes. “É o caso de atletas que têm um gasto energético elevado e que às vezes fica difícil suprir essa demanda só com alimentos. Quando o paciente tem alguma restrição alimentar, por alergia ou intolerância ou aversão e, por isso, para conseguir alcançar a necessidade nutricional, pode-se utilizar suplementos”, afirma.

De acordo com Tanara Ferreira, apesar dos suplementos serem indicados em algumas situações, é preciso ter uma orientação do especialista para avaliar a necessidade e, se for o caso, a melhor suplementação. “O nutricionista fará uma avaliação nutricional, que é composta por avaliação antropométrica – realizando todas as medidas-, avaliação laboratorial -com exames necessários, avaliação clínica – identificando todas as doenças – e anamnese alimentar para investigar a alimentação atual, aversões, alergias e intolerâncias alimentares. Fora isso, é necessário combinar todos esses dados com a rotina de exercício para, assim, elaborar um plano alimentar adaptado para a situação individual”, complementa.

 Fonte: Assessoria
Bem Estar