Vocação questionadora da moda deveria aproveitar onda de protestos

Malbec Absoluto nasce de ingrediente nobre para agradar homens poderosos
28 de junho de 2013
Ministério lança cartilhas de prevenção da gripe aviária
29 de junho de 2013

Vocação questionadora da moda deveria aproveitar onda de protestos

 Num momento em que a apatia generalizada parece ter dado trégua e aberto espaço para uma mobilização popular de proporções históricas, a moda soa como um assunto dos mais fúteis. Mas não é bem assim. O que vestimos é ao mesmo tempo meio e mensagem do que somos e gostaríamos de ser. Além de escancarar a identidade, as vestimentas são proteção e bandeira.

Quando a segunda onda feminista pediu o fim da opressão feminina nos anos 1960, sutiãs foram queimados; cinco décadas depois, um aluno impedido de usar uma saia em um colégio particular de São Paulo tem o apoio de um "saiaço" vindo de colegas. A cultura punk do faça-você-mesmo transforma simples camisetas em cartazes ambulantes com estampas, silks ou até alfinetes para pregar – no sentido mais puro e físico do termo – seus ideais.

Esse ativismo, no entanto, poderia também vir mais "de fábrica", com um maior número de estilistas apoiando publicamente causas e utilizando suas criações para se fazer ouvir, ao exemplo das inglesas Vivienne Westwood e Stella McCartney, ou dos nossos Ronaldo Fraga e Cavalera. A moda, como negócio, subaproveita sua vocação questionadora, seja por medo de que, ao levantar uma bandeira, afugentará os que não compartilham dela, seja por puro desinteresse.

A classe fashionista tem, sozinha, motivos de sobra para protestar: exploração infantil, racismo, trabalho escravo, distúrbios alimentares, homofobia e, no Brasil, ainda uma pesada carga tributária. Unir-se às aflições coletivas pode ser o empurrão que faltava para uma mudança do mercado.

Que o clima de manifestações incentive esse sentimento ativista de nossas roupas, seus criadores e mediadores – imprensa, obviamente, inclusa. As causas ainda são muitas.

Uol, Fernanda Schimidt

Dani Rabelo
Jornalista do WSCOM Online, sócia e editora-chefe do Portal Mulher de Fato, cantora nas horas vagas, tagarela, observadora, carioca da gema e pessoense de coração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *