Beleza e Moda

Moda sustentável: a tendência que está sempre em alta

Atualizado em: 21/03/2013

sustentabilidade

Anualmente, consumimos quilos e mais quilos de tecidos. Seja em roupas, acessórios ou artigos para a casa, os tecidos fazem parte do nosso dia a dia e causam um impacto maior do que podemos imaginar.

No entanto, em tempos em que muito se fala sobre sustentabilidade, existem empresas preocupadas com a responsabilidade social e com os efeitos que sua produção pode causar no meio ambiente e na vida das pessoas. Desde a escolha das matérias-primas até o descarte das peças após o uso, existem roupas que foram pensadas para minimizar os impactos no mundo em que vivemos.

Dessa maneira, conheça melhor os princípios nos quais consiste a moda sustentável, fique por dentro dos materiais utilizados na produção das peças e veja dicas de como levar uma vida mais ecológica e em harmonia com o meio ambiente.

O processo sustentável

Em uma definição direta, o STEP (Sustainable Technology Education Project) diz que moda sustentável é a produção de roupas que leve em consideração o meio ambiente, a saúde dos consumidores e as condições dos funcionários empregados na indústria.

Para entender um pouco melhor como esses princípios funcionam na prática, o TodaEla conversou com a designer de moda Hieda Oviar, responsável pela marca paranaense Irmãs Green, que explica como funciona o processo de produção de roupas e acessórios de moda sustentáveis.

Hieda começa nos contando que o que a levou a trabalhar nesse ramo foi o prazer em oferecer para as pessoas produtos cujo conceito fosse ético e sustentável. Segundo ela, a motivação também vem das pequenas mudanças de atitude que, além de trazerem satisfação pessoal, revelam resultados positivos para a coletividade.

Na hora de criar as coleções para sua marca, a estilista revela que busca maneiras de causar o menor impacto possível. Entre as matérias-primas utilizadas, a empresa recorre a alternativas naturais, cujo cultivo não faz uso de agrotóxicos, como os tecidos orgânicos, e opções que promovam a reciclagem, como é o caso das garrafas PET.

Na lista de materiais estão tecidos e malhas recicladas mescladas ao poliéster de garrafa PET, tecidos e malhas orgânicas, tecidos naturais – como o linho e o bambu –, couro ecológico e jeans reciclado com poliéster de PET. Além disso, a marca reaproveita resíduos têxteis de coleções anteriores e compra retalhos de microempresas familiares de Curitiba.

Sobre os problemas em se fazer moda consciente atualmente, Hieda Oviar cita que a falta de um grande leque de matérias-primas sustentáveis é o principal empecilho. “Mesmo não sendo possível nos dias de hoje fazer uma roupa 100% sustentável, já podemos observar um crescimento da indústria e de matérias-primas têxteis. Com a ajuda do desenvolvimento da tecnologia têxtil e da moda sustentável, esperamos ver em um futuro próximo a possibilidade de termos um produto cada vez mais eficiente, reduzindo ainda mais os impactos ao meio ambiente”, explica ela.

Sobre a coloração – processo que costuma envolver a liberação de substâncias químicas no meio ambiente –, a designer comenta que os tecidos utilizados já vêm coloridos de fábrica. No entanto, a empresa tem o cuidado de se certificar da responsabilidade ambiental de seus parceiros: “Buscamos tecelagens e malharias que utilizam selos verdes, o que garante o engajamento sustentável da empresa e a eficácia do produto final”, relata Hieda.

Depois de todo o processo criativo de elaboração das peças de uma coleção, a estilista conta que as roupas são cortadas e costuradas em facções de costura parceiras da empresa. Também nessa fase de produção, Hieda mostra que existe uma preocupação na redução de impacto ambiental, sem deixar de levar em conta a mão de obra empregada. Ela ressalta que a empresa trabalha dentro de um sistema que visa “comércio justo e condições satisfatórias de trabalho envolvendo todos os fornecedores da cadeia de produção”.

Para além do ateliê, a estilista aponta que as clientes que procuram a marca estejam buscando o mesmo ideal que fez com que ela trabalhasse com moda sustentável. Além da parte estética, Hieda acredita que exista um interesse ético – tanto social quanto ambiental – nos produtos. Em geral, quem entra na loja busca saber a procedência e a responsabilidade envolvidas em todo o processo.

Os impactos da indústria têxtil e o futuro da sustentabilidade

Dificilmente pensamos quantos litros de água são necessários para produzir um jeans ou talvez nunca tenhamos parado para imaginar onde vão parar todas as roupas que descartamos periodicamente. Quando se fala em moda sustentável, os especialistas da área realizam diversos estudos e financiam pesquisas para medir os reais impactos da moda no mundo.

Natalia Allen é designer de moda, especialista em novas tecnologias sustentáveis e um dos nomes internacionais frequentemente associados a esse tipo de pesquisa. Em uma palestra promovida pelo EcoSpeakers – um bureau de especialistas de diferentes áreas da sustentabilidade –, a estilista aponta os reflexos que a produção têxtil de massa tem na vida de todos nós.

Entre os dados apresentados por Allen, estão os seguintes números:

    25% dos inseticidas utilizados no mundo estão diretamente envolvidos com a plantação de algodão
    Aproximadamente 8 mil substâncias químicas são utilizadas para produzir uma única peça de roupa
    Para produzir uma calça jeans, são necessários 1,4 mil galões de água, enquanto uma camiseta utiliza 800 galões de água
    Em geral, uma peça de roupa será usada por apenas seis meses

Mais algumas informações sobre o impacto da indústria podem ser encontradas no site do Conselho para Reciclagem Têxtil (Council for Textile Recycling UK), da Inglaterra:

    Anualmente, os americanos descartam cerca de 31,7 quilos de roupas e tecidos por pessoa
    É possível reciclar 95% de todo o tecido descartado no mundo

A designer também ressalta que as empresas que trabalham com moda sustentável não devem se preocupar apenas com as matérias-primas e o processo de produção das peças. Um dos principais pontos é pensar no caminho da peça depois que ela sai da loja. Uma moda consciente também precisa criar roupas que durem mais tempo e resistam a muitas lavagens, secagens e desgastes naturais.

Entre as soluções para amenizar os efeitos na vida de todos nós, atualmente os especialistas se concentram em desenvolver tecidos mais resistentes, mais duráveis e que possam ser lavados a seco, evitando o uso excessivo de água. A especialista também fala sobre as revolucionárias impressoras 3D. Famosas por reproduzirem objetos sólidos com perfeição, as máquinas estão sendo testadas para imprimir roupas em materiais leves e maleáveis. Esse tipo de tecnologia criaria peças perfeitas, evitando qualquer tipo de desperdício de material.

Toda Ela (© Callion | Dreamstime Stock Photos & Stock Free Images)

Beleza e Moda