Beleza e Moda

Guarda-roupa de trabalho: Estilo para 5 profissões

Atualizado em: 01/10/2012

roupa

Para se vestir bem no trabalho, não é preciso ter um guarda-roupa repleto de peças diferentes. Essa é a opinião de Milla Mathias, autora de livros como “Quem disse que você não tem nada para se vestir?” (Editora Matrix) e “Guia de estilo para candidatos (e para quem já está no poder)” (Editora Senac).

“O guarda-roupa de trabalho tem que ser feito para não perder tempo”, afirma a especialista. Para isso, a regra é seguir uma lógica de uniforme: invista em peças básicas com cores neutras que possam ser coordenados entre si.

Tudo sem perder de vista o dress code ou tipo de roupa de escritório que vigora no ambiente de profissional que você atua. Pensando nisso, EXAME.com pediu à Milla para descrever o guarda-roupa básico de cinco profissões. Confira:

Executivas

Valem vestidos mais estruturados e sem decote – no máximo, com comprimentos quatro dedos acima do joelho. A lista do guarda-roupa pode conter duas saias, duas calças com cores mais neutras, dois blazers e dois terninhos. Além de oito camisas e oito blusas.

Médicas

Engana-se quem pensa que o jaleco usado pelos médicos (e outros profissionais de saúde) é justificativa para não pensar com mais cuidado nas roupas de trabalho. E isso começa com a escolha dos tecidos que devem ser mais fluídos e “molengo”, como diz Milla.

"Nada de peças estruturadas, pregas e babados”, afirma a especialista. Aposte em malhas, algodão sem elastano – “tecidos que caem naturalmente” e, com isso, não causam volume sob o jaleco. As cores devem ser mais neutras.

A dica para profissionais de saúde é modelar seu guarda-roupa de acordo com o público que atende. Se o trabalho envolve classes menos abastadas, vale looks mais informais – sob o jaleco. Para outros níveis, valem roupas mais formais.

Jornalistas, publicitários e profissionais de TI

Trabalhar em ambientes informais garante mais flexibilidade no guarda-roupa, mas isso não deve ser justificativa para ir trabalhar de pijama ou com a roupa da balada da noite anterior. “O ambiente é mais informal, mas ainda assim tem que passar credibilidade”, afirma a especialista.

Saias, calças e vestidos em tecidos mais casuais estão liberadas. “As camisas podem ser mais vivas e descontraídas”, diz. Na lista de itens para limar do guarda-roupa estão decotes, blusas e vestidos tomara que caia ou que deixem o ombro a mostra, saias muito justas ou com fendas, unhas por fazer, transparências e maquiagem muito forte.

Advogadas

O “dress code” varia de acordo com o porte do escritório. Nos de pequeno e médio porte, os advogados podem usar trajes mais informais nos dias que não tiver que ir ao fórum. Nos dias de audiência e outros compromissos mais formais, a regra é apostar em vestimentas mais conservadoras.

Nos de grande porte, não dá para fugir do formal. Para as mulheres tailleur, terninho, blusa e camisa. Com cores fechadas, sempre.

Profissionais do mercado financeiro

Por se tratar de um ambiente mais masculino, as mulheres devem escolher roupas e cores mias sérias. “Cuidado com o decote, ombro de fora e cabelo muito esvoaçante”, afirma Milla.

Exame

Beleza e Moda