Beleza e Moda

Cresce o número de estrangeiros à procura de cirurgia plástica no Rio

Atualizado em: 11/11/2013

cirurgia_plastica_a

Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, o Brasil é o 2º país com maior número de intervenções no mundo e, além disso, o Rio de Janeiro entrou na rota dos turistas estrangeiros, que têm buscado cada vez mais a expertise dos nossos cirurgiões. Nos últimos meses,Gisela Pontes, que atende numa clínica em Ipanema, operou mais de 30 pacientes estrangeiras, vindas da Europa, Angola e América do Norte. Gisela herdou o dom do pai, o respeitado Ronaldo Pontes, um dos primeiros cirurgiões plásticos do Brasil – amigo de Ivo Pitanguy, de quem foi aprendiz na década de 50, é considerado um dos melhores do país e publicou 15 livros sobre as técnicas que desenvolveu. "Quando tinha 8 anos, assistia às cirurgias escondido. Eu conhecia a enfermeira e colocava a roupa esterilizada, quando ela se distraía, entrava no centro cirúrgico e ficava olhando. Lembro que a primeira que vi foi uma mamoplastia. Fiquei meio assustada, mas quis ver de novo", diz ela à coluna, que queria trabalhar com medicina esportiva, mas quando começou a estudar cirurgia, se apaixonou. "Opero quase que diariamente estrangeiros, desde 1992, muitos angolanos, portugueses, franceses e americanos. Foi se criando uma rede boca a boca e as pessoas começaram a vir", conta Gisela.

Paulistas também respondem por cerca de 25% das pacientes da clínica. Enxerto de gordura da própria paciente para o aumento do glúteo, por exemplo, tem sido muito utilizado por ser um método menos invasivo e com baixo teor de rejeição.

"Faço todos os procedimentos, face, mama, abdômen, nariz e lipo. O engraçado é que os objetivos dependem de cada país. Os angolanos fazem abdômen, mama, lipo e nariz, dificilmente o rosto porque os negros não envelhecem. Dependendo de onde o paciente venha, como nos lugares frios, eles preferem fazer rosto, o europeu por exemplo. Já os americanos se importam demais com a aparência e se submetem a mais procedimentos e buscam o Brasil porque lá é muito caro e muito difícil ter uma equipe grande", explica Pontes, que vai participar de uma vídeo conferência durante um congresso do Instituto Teknon, de Barcelona, dia 30.

Outro tratamento muito pedido é o rejuvenescimento do olhar. Sabe aquela expressão de cansaço que não sai por mais que a pessoa durma horas a fio e quando o uso do corretivo não dá mais jeito? É possível, segundo ela afirma, rejuvenescer de 10 a 15 anos com o tratamento.

"Faço o rejuvenescimento do olhar quando a pessoa possui a flacidez de pele e perda de volume facial. Temos que corrigir isso junto com o tratamento da musculatura da face. A olheira profunda, o olhar de cansaço corrigimos depois que acertamos a flacidez complementando com enxerto de gordura que dá o rejuvenescimento do olhar", explica Gisela.

E com o verão chegando, a cirurgiã comenta sobre os procedimentos mais procurados, como prótese de mama, lipo e enxerto de glúteo. "O pessoal da sociedade carioca que gosta muito de samba vem correndo à clínica para estar com tudo em cima no Carnaval", diz ela. Outro procedimento muito procurado atualmente é o lifting de braço – quem nunca fez o tenebroso 'teste do tchauzinho?'. "Quando tem um início de flacidez, uma intervenção com laser dá uma melhorada absurda", avisa ela, afastando o receio que muita gente tem do pós-operatório. "Hoje em dia existem vários analgésicos para atenuar a dor. Nos primeiros 10 dias, com certeza, a pessoa sentirá um incômodo, mas isso depende de cada paciente. Já tive uma que foi jogar vôlei e outras difíceis até convencer a ficar em repouso. O resultado inicial a gente percebe com três meses, já o final em até um ano. A cirurgia no abdômen, lipo de dorso (das costas próximo ao pescoço até o culote) tem a recuperação mais lenta".  

 

 

Fonte: Época

 

Beleza e Moda