Beleza e Moda

Chic Outlet Shopping recebe primavera com instalações florais de Mark Colle

Atualizado em: 18/02/2014

lily_cole_and_mark_colle_behind_the_scenes_-_chic_outlet_shopping_1

O Chic Outlet Shopping irá receber a primavera de acordo: todas as villages do grupo europeu foram decoradas por Mark Colle para a nova estação. Responsável por cenários memoráveis no mundo da moda como o do desfile de estreia de Raf Simonsna Dior, o florista é o diretor criativo convidado da nova campanha da rede, batizada de “Chic Goes Wild!”, e criou instalações que ficarão expostas nos malls até o final de abril.

Feita com o apoio da modelo Lily Cole e em parceria com a Botanic Gardens Conservation International, “Chic Goes Wild!”  vai ajudar a divulgar o trabalho da instituição que busca preservar espécies de flores silvestres que correm risco de extinção. A seguir, confira um entrevista exclusiva com o expert.

O que inspira você a criar peças tão incríveis?
Eu tiro inspiração de muitas coisas diferentes, como a arquitetura dos anos 50, o mundo kitsch do diretor John Waters, as cores maravilhosas de Suspíria, um filme italiano de terror dos anos 70, ou até da música tecno de Detroit, que é minimalista, bruta, mas cheia de alma.
Você sempre soube que iriaa trabalhar com flores?
Quando eu era criança, queria trabalhar com publicidade. Por sorte, comecei a trabalhar com o florista da minha cidade natal quando tinha 15 anos – mas confesso que nunca achei que construiria uma carreira a partir disso.
Qual é sua flor preferida?
Minha flor preferida é a dália. Embora seja uma flor bastante comum, ela tem muitas qualidades ocultas; nos faz pensar em luxo, em kitsch… Pode ser antiquada e futurista ao mesmo tempo.
As flores que você usa são sempre lindíssimas. Elas são de um país específico?
Quase todas as flores que eu uso vêm da Holanda, mas podem ser de qualquer lugar – Itália, Israel, Equador, Etiópia, Nova Zelândia.

Para essa colaboração, o que você criou para as Villages do Chic Outlet Shopping?
Eu queria fazer uma coisa especial ao criar as instalações florais, algo que fosse abstrato de uma certa maneira, que chegasse até a desafiar a gravidade. Um espaço geométrico, porém onírico, uma explosão de cores.
Como é seu processo criativo?
Eu amo tudo que meu trabalho envolve. Cada projeto é um novo desafio. Ou, pelo menos, eu transformo num desafio, seja através da mensagem, dos formatos, das combinações de cores ou das texturas. Eu gosto de usar flores não-convencionais, gosto do diálogo entre o que é considerado de bom gosto e de mau gosto. Para mim, isso é interessante.
Como você começou a trabalhar com nomes tão importantes na moda quanto Dior, Hermès, Louis Vuitton e Dries Van Noten?
Trabalhar com essas marcas aconteceu de forma muito natural, na verdade foram elas que me procuraram. A primeira coleção de alta-costura de Raf Simons para a Dior… Eu ainda não consigo acreditar que trabalhei nesse desfile.

 

Fonte: Vogue

Beleza e Moda