Beleza e Moda

Anti-tendência

Atualizado em: 27/12/2013

casaco-rosa

Sabe quando rolam as temporadas de desfiles e logo depois somos bombardeados com listas de tendências, peças que apareceram em diversas passarelas e que logo vão ganhar status de “tem que ter” em todas as revistas e sites de moda? No inverno atual do hemisfério Norte, a tal peça da vez era o casaco rosa. Perdi a conta de quantas matérias li sobre o assunto. De quantas Vogues li com editoriais todinhos cor-de-rosa. O casaco rosa apareceu na Dior, na Miu Miu, na Simone Rocha, na Carven, na Céline… Mas e nas ruas, ele apareceu? Pff! Que nada! Fiz algumas viagens esse ano, andei bastante pelas ruas e ainda estou para ver alguém de casacão rosa. Tirando a Zara, que tinha um mísero modelo, não vi uma enxurrada de versões “fast fashion” de casacos rosa, como sempre acontece quando uma peça é fadada a virar hit. O da M&S (na segunda imagem acima) foi cercado de festa na imprensa, que noticiou que ele se esgotou rapidíssimo das araras da loja. Mas onde eles foram parar mesmo?
Quem notou a mesma coisa foi uma jornalista de moda do site do jornal britânico Telegraph. Em uma matéria na qual notava a mesma coisa, ela dizia que embora ela mesma tenha se entusiasmado e eleito o casaco rosa como algo que todo mundo tinha que ter no armário nesse inverno, ela mesma não se aventurou a comprar um – muito menos suas colegas de profissão. E aí eu me pergunto: se nem ela se deu ao trabalho de comprar um casaco rosa, porque foi que recomendou a todos que o fizessem mesmo? “A tendência realmente não decolou como nós previmos”, concordou Samantha Southern, doWGSN. “Mas se formos parar para pensar que veríamos zero casacos rosas em uma temporada normal, de repente, comparando, estamos vendo mais da peça dessa forma?” Segundo ela, os casacos rosas que chegaram às lojas eram de grifes caras, e por isso não chegaram às massas, algo que ela diz que pode acontecer ano que vem, afirmando que casacos de cores neutras continuam vendendo mais. Eu digo que é muita vontade de querer afirmar algo que foi previsto de forma errada, aparentemente sem nenhuma sensibilidade.
Marc Jacobs sempre diz que a moda é dar às pessoas algo que elas não sabem que querem. Pois o tal casaco rosa? O pessoal não quer mesmo não, viu? Fica aí a maior prova do abismo que separa os escritórios de tendência e revistas de moda e a vida real. Não, não temos grana para andar como se fôssemos um editorial da Vogue – e muitos de nós não querem pasteurizar a tal ponto. Para o inverno da vida real ainda preferimos peças mais neutras, que combinem com tudo que temos no armário e que não vão ficar datadas ou cansadas depois de três meses. Afinal de contas, nossa conta bancária tem limites e somos pessoas práticas e com o pé no chão. Fica o toque: para nós sempre filtrarmos a histeria e para os escritórios de tendência e revistas e sites olharem mais para a rua e menos para o mundinho das editoras de moda no site do Tommy Ton. Aí, quem sabe, eles consigam acertar com mais frequência.

 

 

Fonte: Petiscos

Beleza e Moda