Beleza e Moda

Além do futebol: marcas brasileiras ganham destaque internacional

Atualizado em: 17/06/2014

brazil-daniela-3_2939539a

Nesta quinta-feira (12.06), enquanto todos os olhos estavam vidrados na abertura da Copa com o jogo do Brasil x Croácia, o The Telegraph estava com o olhar voltado para a moda brasileira. O jornal britânico elegeu cinco nomes de destaque na moda Made in Brazil atualmente: as jovens Karin Feller, Gabriela Sakate e Gralias, a mineira Gig, e a veterana Adriana Degreas, com seu famoso beach couture.

Apesar de ter a praia como cenário, as fotos que revelam as criações das etiquetas brasileiras no jornal inglês fogem do tropicalismo clichê, chamando atenção para o processo handmande das peças e da sua presença em multimarcas consagradas como Harrod’s, Joseph Tricot e Not Just a Label. O intermédio entre as marcas e Daniela Agnelli (jornalista que assina a reportagem) foi feito pela ABIT (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e da Confecção). Na sequência você conhece um pouco mais das designers citadas.

telegraph (Foto:  )

 

Adriana Degreas
Com 12 anos de carreira, sendo 4 deles desfilando no calendário oficial da moda brasileira, a estilista acredita que seu sucesso internacinal se deve ao fato das suas coleções fugirem do esteriótipo do maiô e biquíni para gringo ver. “As modelagens são mais próximas da européias, a cartela de cores não é tropicalista. Existe uma sofisticação nos detalhes, que são apreciadas pelo mercado externo, que imprimem o lifestyle brasileiro”, argumentou em entrevista à Vogue.

Com dois showrooms no exterior (um em Paris e outros em Nova York), o seu beach-chic pode ser encontrado na L’Eclaireuer e no Le Bon Marché, em Paris, Luisa Via Roma, em Firenze, na Harrods, em Londres, além de pontos de venda na Grécia, no Líbano e nos EUA. A abertura de uma loja própria em Miami, inclusive, está programada para o segundo semestre deste ano.

telegraph (Foto:  )

 

GIG
Fundada por Gina Guerra e Patrícia Schettino em 2002, foi só em 2005 que a marca mineira expert em malhas fez sua primeira coleção. No Telegraph, a etiqueta foi elogiada por sua “força e expertise em mostrar a beleza das tramas, através de formas torcidas, texturas e estampas exclusivas”. Para a Vogue, Patricia credita outro fator ao sucesso: “investimos de forma conjunta no mercado nacional e internacional”.

Outro motivo que faz a Gig estar em uma posição especial e bem estabelecida, segundo a reportagem, é o contrato de exclusividade com a rede Intermix, o que garante a presença da marca em 32 pontos de venda espalhados pela América do Norte. A GIG ainda participa de eventos importantes de lançamento como o ‘Who is Next’ em Dubai, ‘Brazil Fashion Now’ em Tóquio, além de integrar o line-up do Minas Trend Preview. Sobre o futuro da marca, Patricia diz: “Até recebemos o convite e pensamos em participar do SPFW, mas é algo a ser mais planejado”.

telegraph (Foto:  )

 

KARIN FELLER
“Começamos exportando para o Japão e só agora estamos expandindo no Brasil”, disse Karin, revelando que o processo de exportação começou em 2010, incialmente apenas para atender ao mercado japonês. E porque o Japão? ” Acho que o estilo da marca funciona bem por lá. Eles gostam do fato de eu criar estampas exclusivas e gostam das modelagens que são comerciais, porém inusitadas”. No país, suas criações podem ser encontradas em duas grandes redes (a Sogo&Seibu e Isetan. Já em Nova York, Karin Feller vende na Elegance e, por aqui, faz parte da seleção do e-commerce Gallerist.

telegraph (Foto:  )

 

Gabriela Sakate
Com passagens pela ESMOD e Central Saint Martins, a designer é um dos nomes de destaque da Casa de Criadores, evento paulista que serve de vitrine para jovens estilistas e marcas em ascensão. Definida pelo Telegraph como uma etiqueta que tem a alfaiataria e a feminilidade como pontos-chave, Gabriela revelou que, para a coleção que foi fotografada pelo título britânico, há uma série de elementos do mundo esportivo reinterpretados na alfaiataria e em tecidos tecnológicos como neoprene.

telegraph (Foto:  )

 

Gralias 
Criada pelas estilistas Grazi Cavalcanti e Julia Guglielmetti, em 2010, o trabalho da dupla começou como um estúdio de figurino e foi ampliado em 2013. Atrelar a moda com as artes cênicas é, segundo o duo, a principal característica da marca. Também participantes da Casa de Criadores e do projeto Ponto Zero, a marca integra o grupo BtoBe (programa da Texbrasil, um dos braços da Abit e Apex-Brasil), que promove internacionalmente novos nomes da moda brasileira. O resultado do h´ˆbrido entre moda e artes cênicas? “Uma moda jovem e colorida para mulheres criativas que gostam de se vestir com ‘brasilidade’, mas de uma maneira contemporânea”, afirmam as newcomers que já contam com pontos de venda que vão da Colômbia à Arábia Saudita.

 

 

 

Fonte: Vogue

Beleza e Moda